26/04/2009

Crise

Gente , como é difícil pagar o preço que realmente vale cada coisa, se dedicar pessoalmente a cada detalhe, fazer as coisas do seu próprio jeito. Que tristeza esse mercado casamenteiro que se formou aqui no Brasil, quando o proposito do evento faz os valores triplicarem. A vontade que dá é querer fazer tudo sozinha mesmo, contratar só o que for estritamente necessário... mas é quase impossível. Só Deus pra me ajudar. Não é uma questão do dinheiro. É questão do propósito dos gastos. Será que tudo isso não é vaidade e correr atrás do vento? O que realmente importa? Como ser simples e não simplista? Como ser essencial e não desleixada? Estou em crise. Eu, que sou tão preocupada com tudo da minha vida, que me questiono em cada segundo que vivo, cada real que gasto, me vejo num ciclo vicioso, misturado com essa quase culpa de gastar dinheiro á toa. Dinheiro que não se aproveita, que naõ ajuda pessoas, que não investe em vidas. Seré que sou radical demais? Preciso de um ponto de equlíbrio. E de um casamento que não custe mais de doze mil reais.