10/08/2009

Fé Sem Intimidade Não É Fé (Faith Without Intimacy is no Faith at All)

Por David Wilkerson
25 de junho de 2001

Sempre pensei na pergunta que Jesus faz em Lucas 18:8: “Contudo, quando vier o Filho do homem, achará, porventura, fé na terra?” O que o Senhor poderia estar dizendo com isso? Olhando para a igreja de Jesus Cristo atualmente, entendo que nenhuma outra geração tem se concentrado tanto na fé quanto a nossa.

Parece que todos estão falando sobre fé. Sermões sobre este tópico abundam. Cursos e conferências sobre a fé são organizados pelo país. Livros sobre o assunto cobrem as prateleiras das livrarias cristãs. Multidões de cristãos se reunem para ganharem apoio e encorajamento através de uma mensagem sobre fé.

Hoje há pastores da fé, mestres da fé, movimentos da fé, até igrejas da fé. Claramente, se há um tipo de especialização ocorrendo na igreja nos dias de hoje, é sobre esta área da fé.

Contudo, tristemente, aquilo que a maioria das pessoas considera ser fé hoje, não é fé em absoluto. Na verdade, Deus rejeitará muito do que está sendo chamado e praticado como fé. Ele simplesmente não aceitará isso. Por que? Porque é fé corrompida.

Muitos pregadores atualmente humanizam totalmente o tópico da fé. Eles descrevem a fé como se ela existisse só para ganho pessoal, ou para atender à necessidades pessoais. Ouvi alguns pastores declarando: “Fé não é pedir a Deus o que você precisa. É perguntar a Ele o que sonhar: se você consegue sonhar uma coisa, então pode tê-la”.

A fé que estes homens pregam é material, arraigada neste mundo, materialista. Ela motiva os crentes a orarem assim: “Senhor, me abençoe, me faça prosperar, me dê”. As necessidades de um mundo perdido não são consideradas. Eu não consigo dar a ênfase necessária: este tipo de fé não é o que Deus deseja de nós. Ela não pode ser para ganho desprovido de piedade.

Há uma doutrina de fé particularmente perigosa sendo esposada hoje em dia. Ela sustenta que os crentes mais piedosos são os que “aplicaram a fé” para ganhar uma vida confortável para si. De acordo com esta doutrina, as pessoas que devemos imitar são aquelas que dirigem os carros maiores e mais caros, e possuem as casas maiores e mais lindas.

Isso é heresia total. Se assim fosse, então os crentes mais santificados seriam aqueles que ludibriam financeiramente. Significaria que nosso objetivo diário é agir por todas as maneiras em favor de ganho próprio. Esse simplesmente não é o evangelho de Jesus Cristo.

Porém nesta mensagem não estou focalizando os pregadores da prosperidade, ou doutrinas de ganho pessoal. Quero me concentrar naqueles que verdadeiramente amam Jesus, e que desejam viver pela fé de um modo que O agrade. A minha mensagem para cada um destes crentes é a seguinte: toda fé verdadeira nasce da intimidade com Cristo. O fato é que, se a sua fé não vem a partir desta intimidade, ela não é fé aos Seus olhos.


Hebreus 11 Fala de Um Padrão Bíblico de Intimidade


Quando lemos Hebreus 11, encontramos um denominador comum na vida das pessoas mencionadas. Cada uma tinha uma característica pessoal que denota o tipo de fé que Deus ama. Qual era esse elemento? Era: sua fé havia nascido da profunda intimidade com o Senhor.

O fato é que é impossível possuir uma fé que agrade a Deus sem compartilhar intimidade com Ele. O quê quero dizer com intimidade? Estou falando da proximidade com o Senhor que vem de se desejá-Lo ardentemente. Este tipo de intimidade é um laço de união, comunhão. Vem quando desejamos o Senhor mais do que qualquer coisa na vida.

Vejamos apenas quatro exemplos de servos cheios de fé, que andaram perto de Deus, como mencionado em Hebreus 11:

1. O nosso primeiro exemplo é Abel. As escrituras declaram: “Pela fé, Abel ofereceu a Deus mais excelente sacrifício do que Caim; pelo qual obteve testemunho de ser justo, tendo a aprovação de Deus quanto às suas ofertas. Por meio dela, também mesmo depois de morto, ainda fala” (Hebreus 11:4).

Quero observar várias coisas significativas neste versículo. Primeiro, o próprio Deus testificou quanto às ofertas de Abel. (Note que havia mais do que uma oferta. Abel claramente oferecia sacrifícios ao Senhor com freqüência).

Segundo, Abel tinha de edificar um altar ao Senhor, para onde trouxesse os sacrifícios. E ele oferecia não apenas cordeiros sem mácula para o sacrifício, mas também a gordura desses cordeiros. As escrituras nos dizem: “Abel, por sua vez, trouxe das primícias do seu rebanho e da gordura deste” (Gênesis 4:4).

Qual o significado da gordura aqui? O livro de Levíticos diz; “é manjar da oferta queimada, de aroma agradável. Toda a gordura será do Senhor” (Levit. 3:16). Em resumo, a gordura é alimento para Deus.

Veja, a gordura era a parte do sacrifício que fazia levantar o doce aroma. Essa parte do animal pegava fogo rapidamente e era consumida, produzindo em torno o doce perfume. O Senhor diz o seguinte em relação à gordura: “Estatuto perpétuo será durante as vossas gerações, em todas as vossas moradas; gordura nenhuma nem sangue jamais comereis” (3:17). A gordura é do Senhor.

A gordura aqui serve como tipo de oração ou comunhão aceitável a Deus. Ela representa nosso ministério junto ao Senhor no lugar secreto de oração. E o próprio Senhor declara que esta adoração íntima sobe a Ele como doce perfume.

A primeira menção na Bíblia quanto a este tipo de adoração é por Abel. Abel permitiu que o sacrifício e a gordura fossem consumidos no altar do Senhor. Isso quer dizer que ele aguardou na presença de Deus até que o sacrifício subisse aos céus.

É por isso que Abel é listado no hall da fama de Hebreus 11. Ele é um tipo do servo em comunhão com o Senhor, oferecendo-Lhe o melhor que possuía. Como Hebreus declara, o exemplo de Abel permanece hoje como testemunho de fé real e viva: “mesmo depois de morto, ainda fala” (Hebreus 11:4).

Como Abel obteve tal fé? Imagine as tremendas conversas que este jovem deve ter ouvido de seus pais, Adão e Eva. O casal obviamente falava dos antigos dias no jardim com o Senhor. Sem dúvida mencionaram os grandes momentos de comunhão com Deus, caminhando e conversando com Ele no frescor do dia.

Imagine o que passava pela cabeça de Abel ao ouvir estas histórias. Ele provavelmente pensava: “Como deve ter sido maravilhoso. Meu pai e minha mãe tinham uma relação viva com o próprio Criador”.

Ao refletir sobre isso, Abel deve ter tomado uma decisão em seu coração: ele resolveu que não iria viver fora deste histórico de seus pais. Ele não iria querer se adaptar à uma mera tradição passada a ele. Ele teria de receber o seu próprio toque vindo de Deus.

Pode ser que Abel tenha se dito: “Não quero ficar ouvindo de experiências antigas com o Senhor. Quero conhecê-Lo agora, para mim próprio, hoje. Quero um relacionamento com Ele, ter comunhão com Ele”.

Este é exatamente o tipo de “gordura” que devemos oferecer a Deus hoje. Como Abel, devemos Lhe dar o nosso melhor horário, em nosso lugar secreto de oração. E devemos gastar tempo suficiente lá, em Sua presença, permitindo que Ele consuma as nossas oferendas de adoração e comunhão íntimas.

Agora, compare as ofertas de Abel com as de seu irmão, Caim. Caim trouxe frutas ao Senhor, uma oferta que não exigia altar. Não havia gordura, óleo, nada para ser consumido. Como resultado, não havia doce aroma para subir aos céus.

Em outras palavras, não havia intimidade envolvida, não havia trocas pessoais entre Caim e o Senhor. Veja, Caim trouxe um sacrifício que não exigia que ele permanecesse na presença de Deus, buscando Sua comunhão. É por isso que as escrituras dizem que a oferta de Abel era “mais excelente” que a de Caim.

Agora, não se engane: Deus honrou o sacrifício que Caim Lhe trouxe. Mas o Senhor olha o coração, e Ele sabia que Caim não ansiava estar em Sua presença. Isso ficou claro no sacrifício que Caim escolheu ofertar.

Em minha opinião, Caim representa muitos cristãos de hoje em dia. Estes crentes vão à igreja toda semana, adorando a Deus e pedindo que os abençoe e faça prosperar. Mas não têm o desejo de intimidade com o Senhor. Querem que o Pai celestial responda suas orações, mas não desejam relacionamento com Ele. Eles não buscam Sua face, não desejam ardentemente Sua proximidade, não anseiam por Sua comunhão. Como Caim, eles simplesmente não têm vontade de permanecer em Sua presença.

Em contraste, o servo fiel busca o toque de Deus em sua vida. Como Abel, ele não vai se prender a algo menor do que isso. Este servo diz a si próprio: “Estou resolvido a dar ao Senhor todo o tempo que Ele quer de mim em comunhão. Anseio ouvir Sua voz suave e terna falando comigo. Então vou ficar em Sua presença até que me diga que está satisfeito”.

2. Enoque também desfrutou de íntima comunhão com o Senhor. Em verdade, sua comunhão com Deus era tão íntima, que o Senhor o trasladou para a glória muito antes do que poderia ter sido o fim de sua vida terrena. “Pela fé, Enoque foi trasladado para não ver a morte; não foi achado, porque Deus o trasladara. Pois, antes da sua trasladação, obteve testemunho de haver agradado a Deus” (Hebreus 11:5).

Por que o Senhor optou por trasladar Enoque? As palavras iniciais deste verso nos dizem claramente: foi por causa de sua fé. Além disso, a frase final diz que a fé de Enoque agradava a Deus.

A Bíblia diz que Enoque começou a andar com o Senhor depois de ter gerado seu filho, Matusalém. Enoque tinha sessenta e cinco anos nesta época. Ele então passou os próximos 300 anos em comunhão íntima com Deus. Hebreus deixa claro que Enoque estava tão ligado ao Pai, tão próximo dEle em comunhão à toda hora, que Deus optou por levá-lo para Si. O Senhor disse a Enoque, basicamente: “Não dá para progredir mais contigo dentro dos limites da carne. Para aumentar minha intimidade contigo, tenho de te trazer para o meu lado”. Então Ele rapidamente arrebatou Enoque para a glória.

Segundo as escrituras, foi a intimidade de Enoque que agradou tanto ao Senhor. Tanto quanto sabemos, este homem nunca realizou um milagre, nunca desenvolveu uma teologia profunda, nunca fez grandes obras que merecessem menção nas escrituras. Em vez disso, lemos esta descrição simples da vida deste homem simples: “Andou Enoque com Deus”.

Enoque tinha comunhão íntima com o Pai. E sua vida ainda é um outro testemunho do que significa verdadeiramente andar em fé.

3. O nosso próximo exemplo de um caminhar íntimo de fé com Deus é Noé. Hebreus diz: “Pela fé, Noé, divinamente instruído acerca de acontecimentos que ainda não se viam e sendo temente a Deus, aparelhou uma arca para a salvação de sua casa; pela qual condenou o mundo e se tornou herdeiro da justiça que vem da fé” (Hebreus 11:7).

Quando lemos a história deste homem em Gênesis, descobrimos que “Noé achou graça diante do Senhor” (Gênesis 6:8). O verso seguinte diz como ele achou essa graça: “Noé andava com Deus” (6:9). Noé conhecia claramente a voz de Deus. Toda vez que o Senhor lhe falava, ele obedecia. Repetidas vezes lemos: “disse Deus a Noé...Assim fez Noé, consoante a tudo o que Deus lhe ordenara” (v. 6:13,22; 7:1,5; 8:15, 18).

Tente imaginar o quanto de tempo Noé deve ter passado a sós com Deus. Afinal de contas, ele tinha de receber instruções detalhadas do Senhor quanto a como construir a arca. Porém a intimidade de Noé com Deus foi além da orientação que recebeu. As escrituras dizem que o Senhor compartilhou Seu coração com Noé, mostrando-lhe o mal do coração humano. E revelou a Noé os Seus planos para o futuro da humanidade.

4. Abraão também compartilhou de íntima comunhão com o Senhor. Pense na maneira pela qual o próprio Deus descreveu o relacionamento com esse homem: “Abraão, meu amigo” (Isaías 41:8). Igualmente, o Novo Testamento nos diz: “Abraão creu em Deus...e: foi chamado amigo de Deus” (Tiago 2:23).

Que incrível recomendação, ser chamado amigo de Deus. A maioria dos cristãos tem cantado o conhecido hino “Em Jesus Amigo Temos”. Estas passagens bíblicas nos trazem esta verdade com poder. Ter o Criador do universo chamando um homem de Seu amigo parece além da compreensão humana. Porém isso aconteceu com Abraão. É um sinal da grande intimidade deste homem com Deus.

Em hebraico a palavra aqui usada por Isaías para amigo quer dizer afeição e proximidade. E em grego, a palavra que Tiago usa para amigo quer dizer aliado querido e próximo. Ambas implicam em intimidade profunda.


O Resultado da Proximidade com Deus
Não É Só Uma Afeição Íntima pelo Senhor,
Mas Também um Desapego Progressivo Por Este Mundo


Quanto mais nos aproximamos de Cristo, maior se torna nosso desejo de viver inteiramente em Sua presença. E mais, começamos a ver mais claramente que Jesus é o nosso único fundamento real.

A Bíblia diz que Abraão “aguardava a cidade que tem fundamentos, da qual Deus é o arquiteto e edificador” (Hebreus 11:10). Para Abraão, nada nesta vida era permanente. As escrituras dizem que o mundo era um “lugar estranho” para ele. Não era um lugar para se fincar raízes.

Contudo Abraão não era nenhum místico. Ele não era um ascético que adotava um aspecto beatificado e vivia confuso espiritualmente. Era um homem com vida terrena, profundamente envolvido em negócios. Afinal de contas, era o proprietário de milhares de cabeças de gado. E tinha servos em número suficiente para formar uma pequena milícia. Abraão devia ser um homem ocupado, dirigindo os servos e comprando e vendendo gado, ovelhas e bodes.

Porém ainda assim, a despeito de seus tantos negócios e responsabilidades, Abraão achava tempo para intimidade com o Senhor. E porque andava perto de Deus, ele ia ficando cada vez mais insatisfeito com esse mundo. Abraão era rico, próspero, com muitas coisas boas para mantê-lo ocupado. Porém, nada nesta vida conseguia desviar a atenção dele do anseio pela pátria celestial no porvir. Cada dia, ele mais e mais ansiava se aproximar deste lugar melhor.

A pátria celestial pela qual Abraão ansiava não é literalmente um lugar. Antes, trata-se de estar no recôndito do Pai. Veja, no original, a palavra para esta expressão “pátria celestial”, é Pater. Vem de uma raíz significando Pai. Então, a pátria celestial que Abraão buscava era, literalmente, um lugar com o Pai.

O que isso significa para nós hoje? Significa que mudar para esta pátria celestial não é só chegar ao céu um dia no futuro. Trata-se de, a cada dia, desejar ardentemente experimentar a presença do Pai agora mesmo.

Hebreus diz que os quatro homens mencionados - Abel, Enoque, Noé e Abraão - morreram na fé (v. Hebreus 11). Cada um deles se desapegou do espírito do seu tempo. E cada um buscava uma nova pátria. O mundo simplesmente não era o seu lar.

Porém, isso não quer dizer que eles ficaram esperando até chegar ao céu para desfrutar da proximidade com o Pai. Pelo contrário, como peregrinos passando por essa vida, eles continuamente buscavam a presença de Deus. Nada no mundo conseguia fazê-los parar de se mover à frente, buscando um caminhar mais profundo e íntimo com o Pai.

Através de seus fiéis exemplos, estes homens diziam: “Busco um lugar mais próximo do Pai. E este lugar está além do que este mundo tem a oferecer. Vejo com carinho as tantas e abençoadas dádivas que Deus tem me dado em meus familiares, e amigos piedosos; nada no mundo poderia substituir o amor que tenho por eles. Mas sei que há um amor ainda maior, a ser experimentado com o Pai”.

Hebreus 11 fala de muitos outros cujo caminhar íntimo de fé agradou ao Senhor. Pela fé, estes servos forjaram grandes milagres, e fizeram muitas coisas impressionantes. E ao examinarmos suas vidas, vemos que eles também compartilharam de um mesmo denominador comum: todos abandonaram este mundo e seus prazeres, para andar intimamente com Deus.

Será que você pode fazer a mesma reivindicação? Será que o seu coração anseia por andar mais próximo do Senhor? Será que está havendo uma insatisfação crescente em você com as coisas deste mundo? Ou, está o seu coração preso à coisas temporais?


Sem Intimidade,
A Sua Fé Não é Verdadeira aos Olhos de Deus


Marcos 4 relata uma história com Jesus e os discípulos, num barco que estava sendo agitado em meio à tempestade no mar. Ao chegarmos à cena, Jesus acaba de acalmar as ondas com uma única ordem. Agora Ele se volta aos discípulos e pergunta: “Como é que não tendes fé?” (Marcos 4:40).

Isso pode soar áspero. É humanamente normal ter medo numa tempestade destas. Mas Jesus não estava os estava desaprovando por essa razão. Não, Ele estava lhes dizendo, “Depois de todo este tempo comigo, vocês ainda não sabem quem Sou. Como é possível vocês terem andado comigo por tanto tempo, e não Me conhecerem intimamente?”

Na verdade, os discípulos estavam atônitos pelo incrível milagre que Jesus havia acabado de operar. As escrituras dizem: “E eles, possuídos de grande temor, diziam uns aos outros: Quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (4: 41).

Dá para você imaginar isso? Os próprios discípulos de Jesus não O conheciam. Ele havia chamado pessoalmente cada um destes homens para segui-Lo. E eles haviam ministrado ao Seu lado, á multidões de pessoas. Haviam operado milagres de cura, e alimentado grande quantidade de gente faminta. Mas eles eram ainda estranhos em relação a quem seu Mestre realmente era.

Tragicamente, o mesmo é verdade hoje. Multidões de cristãos têm andado de barco com Jesus, ministrado ao Seu lado, alcançado multidões em Seu nome. Mas realmente não conhecem Seu mestre. Não passam tempo trancados em intimidade com Ele. Nunca se assentaram em quietude em Sua presença, Lhe abrindo o coração, esperando e ouvindo para compreender o que Ele quer lhes dizer.

Vemos outra cena relacionada à fé dos discípulos em Lucas 17. Eles foram até Jesus pedindo: “Aumenta-nos a fé” (Lucas 17:5).

Muitos cristãos hoje fazem a mesma pergunta: “Como vou obter fé?” Mas eles não buscam o Senhor em pessoa para a resposta. Em vez disso, saem correndo para cursos que proclamam ensinar aos crentes como aumentar a fé. Ou, compram pilhas de livros que oferecem dez passos rápidos para aumentar a fé. Ou, viajam centenas de quilômetros para ouvir conferências sobre a fé, feitas por proeminentes evangelistas e mestres.

Posso lhe dizer desprovido de qualquer dúvida: você jamais aumentará de verdade sua fé por nenhuma dessas maneiras. Se você quer aumentar a fé, terá de fazer a mesma coisa que Jesus mandou os discípulos fazerem nesta passagem. Como Ele respondeu aos pedidos por fé? “cinge-te e serve-me, enquanto eu como e bebo” (Lucas 17: 8).

Jesus estava dizendo, em essência: “Ponha o seu traje de paciência. Então venha à minha mesa e ceie comigo. Quero que me alimente aí. Você trabalha feliz para Mim o dia todo; agora quero que tenha comunhão comigo. Sente-se comigo, abra seu coração, e aprenda de Mim. Há tantas coisas que quero falar para a sua vida”.

Não arrume mais explicações teológicas para a fé. Não procure mais passos para tentar obtê-la. Simplesmente fique a sós com Jesus, e deixe que Ele passe Seu coração para você. Fé real nasce no lugar secreto da oração íntima. Então, vá a Jesus e aprenda dEle. Se você passar um período de qualidade em Sua presença, a fé certamente virá. Ele fará nascer fé em seu coração como você nunca conheceu. Acredite, quando ouvir Sua voz suave e terna, a fé explodirá dentro de você.


A Pátria Celestial --
a Cidade Com Fundamentos,
Buscada por Gerações Antes de Nós --
É o Lugar em Que Vivemos Agora


Aquele lugar, aquela cidade, está em Cristo pela fé. O descanso pelo qual os antigos ansiavam, é encontrado nEle. Recebemos hoje a promessa que eles só podiam antever e abraçar pela fé.

Jesus disse: “Abraão, vosso pai, alegrou-se por ver o meu dia, viu-o e regozijou-se” (João 8:56). Abraão anteviu um dia quando Cristo viria à terra e edificaria o fundamento que previu. E o patriarca se alegrou em conhecer um povo abençoado vivendo neste dia. Ele sabia que viveriam desfrutando de acesso ininterrupto à conversação celestial, e de comunhão com Deus.

Hoje, porém, muitos cristãos estão perdendo totalmente esta promessa. Pelo contrário, vivem em agitação desnecessária. Eles se apressam de lá para cá, tentando produzir uma fé “de resultados”. Estão constantemente presos á uma correria de atividades, fazendo coisas para Deus, que no fim viram apenas fadiga. Eles jamais ficam totalmente descansados em Cristo. Por que? Porque eles simplesmente não se fecham com o Senhor, para ficar horas silenciosas a sós com Ele.

Se está apaixonado por uma pessoa, você quer ficar na presença dessa pessoa. Os dois querem compartilhar a vida, abrindo o coração, e se tornando íntimos. A mesma coisa se aplica a nosso relacionamento com Jesus. Se O amamos, deveríamos constantemente estar pensando: “Quero ficar com o meu Senhor. Quero desfrutar da Sua presença. Então vou me aproximar dEle, e esperar em Sua presença até eu saber que Ele está satisfeito. Vou ficar até ouvi-Lo dizer: ‘Pode ir agora, e alegre-se no Meu amor”’.

Há poucos dias, ouvi a suave e terna voz do Senhor me cochichando algo após minhas orações com Ele. Ele disse: “David, por favor não se vá já. Fique comigo. Há tão poucos que mantém comunhão comigo, tão poucos que Me amam, tão poucos que permanecem para ouvir o Meu coração. E tenho tanto a compartilhar”. É quase um choro, um pedido para que eu ouça Sua voz.

E aí o Senhor me diz: “Quero lhe mostrar aonde vejo sua fé, David. Ela está em você vir até Mim. Está em você Me servir (à mesa), está em você ministrar para Mim, até ouvir e saber o que está no Meu coração”.

“A sua fé está em seu desejo crescente de vir à Minha presença. Está em você ficar ansioso pela próxima vez em que estaremos juntos. Está naquela consciência que você desenvolveu, de que estar a sós comigo é a alegria de sua vida.”

“Já não é trabalho, para você, se aproximar de Mim, não é mais uma coisa trabalhosa. Agora você fica aguardando isso o dia todo. Você sabe que quando sua obra estiver finda, você virá para Mim, para me alimentar e comunicar-se intimamente comigo”.

Isso é verdadeira fé.

---
Usado através de permissão concedida por World Challenge, P. O. Box 260, Lindale, TX 75771, USA.