10/10/2009

Arte Bizantina

No oriente cristão, no ano de 330, o imperador romano Constantino, o Grande, fundou a cidade de Constantinopla, estabelecendo o império Romano do oriente, também denominado império Bizantino. Apesar do nome e sua ideologia imperialista sua língua, porém é grega e sua arte fortemente oriental. Após a conquista dos cruzados, sua produção artística declinou rapidamente, os materiais se tornaram caros e não houve mais investimentos. Os grandes mestres se dispersaram e o trabalho de suas escolas foi interrompido.


A arte desta região tinha como finalidade representar a grandiosidade imperial e, ao mesmo tempo, expressar seu poder sagrado, numa época em que foi considerado como idade de ouro do império. A arquitetura produziu quase que exclusivamente igrejas. O material empregado nas construções variava de acordo com a matéria-prima. De todos os edifícios da arquitetura bizantina, a igreja de Santa Sofia é a mais grandiosa.



O interior é recoberto de mosaicos – desenho formado pelo encaixe de pequenos pedaços de pedra ou vidro colorido sobre cimento – e iluminada por quarenta janelas dispostas ao redor da base da cúpula central, o que dá uma sensação de leveza e de notável grandeza monumental.



A catedral Ortodoxa em São Paulo  no bairro do Paraíso foi construída com base nas mesmas dimensões, sendo uma espécie de réplica da igreja de Santa Sofia.



Os mosaicos ultrapassaram qualquer outra manifestação artística, sendo as figuras, em geral, delgadas e inexpressivas. No conjunto artístico formado por árvores, flores, plantas e animais, sobre fundo de ouro, encontram-se imagens de profetas e apóstolos.