10/10/2009

Arte romana

Entre os séculos XII e VI a. C., os gregos ocuparam diferentes regiões da Itália. Assim, a arte romana foi inicialmente influenciada pela arte grega. Mas, junto com a expressão do ideal de beleza, os romanos preocupavam-se com a expressão da realidade vivida. Com o tempo, Roma superou as influências que recebeu, desenvolvendo então criações artísticas bem originais.


A união das duas culturas fez surgir a arte clássica ou Greco-romana.

Os romanos aprenderam a construir, a partir da influência deixada pelos etruscos nas técnicas de utilização do arco e da abóbada. Os romanos com o uso do arco eliminaram boa parte das colunas muito utilizadas na Grécia, ampliando os espaços internos e tornando os edifícios mais utilitários. Os mais notáveis exemplos da arquitetura romana foram os edifícios públicos, anfiteatros, banhos públicos, estádios para corrida e casas particulares.




A arquitetura grega, devido á grande utilização de colunas, oferecia pouco espaço interno, sendo os templos construídos para morada dos deuses; os edifícios romanos, por sua vez, foram feitos para receber grandes multidões, desenvolvendo-se a utilização de arcos com vistas ao maior aproveitamento do espaço interno. Na Grécia destacam-se o Parthenon e o Erechtheion; em Roma, o Coliseu e o Panteão.






O espírito prático dos romanos orientava-os para o real e não o imaginário. O objetivo principal da escultura era fixar os traços dos que governavam o império, assim orientava-se para o retrato a fim de satisfazer o desejo de glorificação. Havia na cultura romana a obrigação de queimar incenso diante do busto do imperador. A perseguição cristã, por exemplo, teve início quando estes se negaram a prestar culto ao imperador. Seus retratos, tanto na escultura quanto na pintura eram a expressão da verdade, primavam pelo detalhe e pela perfeição. O realismo também se deve á crença de que a representação da figura humana preservava a alma do homem.



A pintura de murais era elemento predominante, ainda assim erigiam colunas e muros gigantescos, nos quais retratavam suas vitórias nas guerras. Nas paredes das casas também se encontravam pinturas altamente decorativas, feitas de afrescos.